O quinto dia- “Crônicas no Canadá-30 dias na Terra do Maple”

 

O dia amanheceu em Montreal com frio e sol brilhando. Nada de céu cinzento e a chuva que marcaram o dia anterior. Depois de várias xícaras de café solúvel, eu fiz minha caminhada até o BLI Canada. Assim que cheguei aqui, andar no frio me deixava realmente incomodada. Sentia umas pontadas no ouvido, porém agora o corpo não estranha mais. Afinal, sair de um calorão no Rio de Janeiro e entrar no frio de Quebec pode ser um choque térmico.

As aulas do BLI são bem dinâmicas para não deixar que o aluno fique entediado e sem ritmo. Fazer um intensivo não é fácil. Além das aulas na escola, a quantidade de deveres para casa, o homework, é grande. No mínimo são 2 horas de estudo, pelo menos essa tem sido minha média de tempo. Quero contar para vocês como achei interessante o professor Zachary usar um jogo simples, o jogo da velha ou tic-tac-toe em inglês, para estimular o raciocínio e “soltar a língua”. O exercício foi em dupla. Cada aluno tinha de completar uma frase, de maneira correta e rápida. O jogo faz com que você seja obrigado a falar no automático.

IMG_20160419_132251923
O jogo da velha em inglês

Quando saí do BLI Canada, eu tive um compromisso bem especial. Fui participar de um seminário sobre economia no Canadá. Foi a segunda edição do SEBQ – Seminário sobre Empreendedorismo Brasileiro no Quebec e o evento foi promovido pelo Consulado do Brasil em Montreal. A ideia do encontro no Centre d’Integration et Culture Lusophone (CICL) foi estimular parcerias e a participação da mulher brasileira no mercado formal canadense. É interessante ouvir histórias de quem veio como imigrante e hoje faz parte do empresariado local. Entre as palestras, uma pedagoga, Dilma Barbosa do Chef Samba International ,que investiu em um dos mais famosos salgadinhos brasileiros, a coxinha, e virou mania em Montreal. Eu admiro muito quem tem coragem. Não é fácil mudar de país, aprender outra língua, outra cultura e abrir um negócio próprio.

12990961_806087632854851_8803696275551737604_n
A reunião de empreendorismo. 

O consulado tem um setor que apoia quem quer abrir um negócio nestas terras geladas. Além de uma boa ideia, qualquer pessoa que pense em abrir um negócio aqui tem de falar francês e ser residente permanente.  O que não é tão simples assim. Vou deixar este link-http://www.sajemontreal.com- que é do SAJE , uma espécie de Sebrae do Canadá, onde tem um núcleo de apoio aos brasileiros.

12998527_1033663310046149_7355502028801888140_n
Eu e a diplomata brasileira Larissa Lacombe.

Um beijo da Rô.

2 comentários sobre “O quinto dia- “Crônicas no Canadá-30 dias na Terra do Maple”

  1. Achei muito interessante sua ostagem.nesse blogue, vc é muito competente e terá um futuro brilhante, desejo a amiga sucesso e que Deus te ilumine. Sr vc tiver algo em especial de desconto por favor me fale. Eu já não consigo dormir sem pensar no Canada!
    Please help me!

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s